Release e materiais de divulgação Diálogos pela Liberdade

RELEASE: Press release Diálogos pela Liberdade

CARTAZ CONGRESSO: cartaz congresso

CARTAZ CINE-DIÁLOGOS: Cartaz Cine-diálogos Setembro

CARTAZ EXPOSIÇÃO: Cartaz Exposição

ADESIVOS: Adesivo Diálogos  |  adesivo diálogos 2

APRESENTAÇÃO: Apresentação – Conteúdo Diálogos pela Liberdade

CARTILHA: Cartilha Fique de olho – Diálogos

Anúncios

Pastoral da Mulher toma posse como integrante do Comitê Interinstitucional de Enfrentamento ao Tráfico de Pessoas

No dia 1 de agosto, no Salão Azul do Ministério Público de Minas Gerais, a Pastoral da Mulher de BH (Unidade Oblata em MG) foi empossada no Comitê Interinstitucional de Enfrentamento ao Tráfico de Pessoas – CIETP/MG.

Na última sexta-feira, 1 de agosto, aconteceu  a reunião extraordinária do Comitê Interinstitucional de Enfrentamento ao Tráfico de Pessoas de MG  para balanço dos principais avanços conquistados por este órgão colegiado, que funciona desde abril de 2013. Nesta ocasião, foram empossados os membros da sociedade civil e  entidades de  ensino superior na direção do comitê, conforme previsto no Decreto Estadual 46.439, de 12 de fevereiro de 2014. Dentre as novas Entidades integrantes do Comitê estava a Pastoral da Mulher de BH, representada por Lucinete Santos .

O evento integrou as ações da Semana Nacional de Mobilização contra o Tráfico de Pessoas (programação em anexo), articulada em Minas Gerais pelo Programa de Enfrentamento ao Tráfico de Pessoas em parceria com o CIETP e o Comitê Coração Azul contra o Tráfico de Pessoas (CoraMinas),  que tiveram como data central o 30 de julho – Dia Mundial de Enfrentamento ao Tráfico de Pessoas, data em que foi aprovado o Plano Global de Combate ao Tráfico de Pessoas adotado pela Assembleia Geral da ONU em julho de 2010.

O Comitê Interinstitucional de Enfrentamento ao Tráfico de Pessoas (CIETP/MG) é  um arranjo intersetorial que conjuga esforços de agentes governamentais dos sistemas de Justiça, Defesa Social e de Direitos Humanos e da sociedade civil para a elaboração, implantação e monitoramento do programa e da Política Estadual de Enfrentamento ao Tráfico de Pessoas. Também visa a estimular as instituições públicas e privadas a refletirem sobre o tema.

Pastoral da Mulher recebe representante do Ministério de Justiça e UNODC

A Unidade Oblata em Minas Gerais (Pastoral da Mulher de Belo Horizonte) realiza ações de prevenção ao tráfico de pessoas por meio do projeto financiado pela  SNJ (Secretaria Nacional de Justiça) e pelo  UNODC (Escritório das Nações Unidas sobre Drogas e Crime).

Nesta quarta-feira, 16 de julho, a Pastoral da Mulher recebeu uma visita técnica da Consultora da SNJ e UNODC, Elisangela Machado, para acompanhar o andamento das atividades programadas, que também integram o Projeto Diálogos pela Liberdade. Dentre os objetivos dessa visita, está a  orientação para a construção de produtos que possam gerar novos conhecimentos e métodos que possam ser replicados como aprendizagem qualificada na área da prevenção ao tráfico de pessoas.

A Equipe teve a oportunidade de partilhar informações e expor a missão e o trabalho da Pastoral na área de gênero, crescimento humano, promoção dos direitos humanos e da cidadania das mulheres em situação de prostituição, bem como relatou as últimas ações realizadas na área de prevenção e sensibilização sobre Tráfico de Seres Humanos. Uma nova visita da Consultora está prevista para o final de Setembro de 2014.

???????????????????????????????

Pastoral da Mulher de BH selecionada para Enfrentamento ao Tráfico de pessoas pelo MJ / UNODC

A Unidade Oblata em MG (Pastoral da Mulher BH) foi uma das seis Entidades selecionadas pela Secretaria Nacional de Justiça e pelo  UNODC (Escritório das Nações Unidas sobre Drogas e Crime)  para induzir ações de prevenção ao tráfico de pessoas.

As instituições selecionadas são : Gerando Vida (RJ) ; GGLOS LGBT (PI); GTP+ (PE) ; Pastoral da Mulher BH -Instituto das Irmãs Oblatas do Santíssimo Redentor (MG); Projeto Legal/Projeto Trama(RJ) e Sodireitos (PA). Todas elas se comprometeram a promover uma abordagem adequada e de acordo com os compromissos nacionais e internacionais assumidos pelo Estado brasileiro, numa perspectiva de promoção de direitos humanos. Também deverão incentivar a aproximação da sociedade brasileira com a temática do tráfico de pessoas, para que se possa ter mais informações sobre a existência e a complexidade de tal fenômeno e auxiliar no desenho de estratégias e ações de prevenção.

 

Continuar lendo