Inscrições abertas para o Seminário Dialogando sobre Preconceito na Prostituição: Luta Por Direitos

Evento Gratuito – Inscrições abertas

No dia 23 de novembro, na Câmara Municipal de Belo Horizonte, será realizado o Seminário Dialogando sobre Preconceito na Prostituição – Luta Por Direitos, que tem o objetivo de debater e sensibilizar sobre as diferentes perspectivas da luta por direitos das profissionais do sexo, o enfrentamento da discriminação e o preconceito que lhes af

eta de modo especial. O encontro visa contemplar a prostituição como fenômeno que se situa nas interseções entre sexualidade, economia, trabalho, poder, moral, relações de gênero, entre outros.

Objetivos específicos do seminário:

• Refletir sobre a questão do estigma, o preconceito e diferentes formas de violência simbólicaque atingem as profissionais do sexo. Escutar da própria voz delas sua opinião sobre o tema e propostas de enfrentamento.
• Dialogar com representantes de órgãos públicos com competências nessa matéria.
• Analisar, a partir da atual conjuntura sociopolítica, as iniciativas de luta por direitos das organizações de trabalhadoras sexuais.
• Sensibilizar a sociedade sobre esta problemática.

Programação

8h30 – Credenciamento.

9.00 h Mesa de Abertura.  Pedro Patrus (vereador BH), Gilson Reis (vereador BH),  Marília Campos (deputada Estadual MG) , Maíra da Cunha Pinto Colares(secretaria Politicas Sociais PBH)

9.30 h Reivindicação de prostitutas e tensões com grupos feministas e com o Estado  . Adriana Piscitelli (antropóloga)

10h30 – Gênero, estigma e preconceito na prostituição.
Debatedores: Vitor Costa (sociólogo), Isabel Brandão (psicóloga) e Juliana Jayme (socióloga).

14h00 – Enfrentando a criminalização da prostituição.
Debatedores: Thaddeus Blanchette (antropólogo social ), Barbara Lobo (jurista)
15h30 – Luta por direitos das organizações de trabalhadoras sexuais.
Debatedoras: Monique Prada (CUTS), Cida Vieira (Aprosmig), Lucimara Wienisky (Filhas da Luta) e Santuzza (CUT’s).

Público: profissionais do sexo, instituições governamentais e Entidades vinculadas à defesa de direitos e à causa da mulher, integrantes dos movimentos sociais, formuladores de políticas públicas, pesquisadores, professores e estudantes universitários de diferentes áreas.

Inscrições: https://www.sympla.com.br/dialogando-sobre-luta-por-direitos__210197

Serviço

Realização: Projeto Diálogos pela Liberdade
Local: Câmara Municipal de Belo Horizonte
Data: 23 de novembro de 2017

Sobre o projeto: O Projeto Oblata Diálogos pela Liberdade 
(Pastoral da Mulher de BH) tem por finalidade contribuir para a
promoção e defesa dos direitos humanos das mulheres que exercem
a prostituição. O combate contra o preconceito histórico-cultural
que existe em relação à prostituição se configura como um dos
desafios mais importantes do nosso Projeto. Para essa finalidade,
atuamos em parceria com outras Entidades e com algumas das 
organizações de trabalhadores sexuais existentes.

Informações: dplbh@oblatas.org.br | 31 3272-7349
Anúncios

Com assessoria financeira, mulheres põem as contas em dia e deixam a prostituição

flavia

 Flávia Lopes tornou-se empresária após seis meses trabalhando como garota de programa (Foto: Adriano Oliveira/G1)

Administrador de site de acompanhantes em Ribeirão Preto (SP) desenvolveu cartilha para orientar jovens a organizar finanças para investir nos próprios sonhos. Continuar lendo

Assédio no metrô – Garota, não se deixe intimidar!

O Projeto Diálogos pela Liberdade produziu o vídeo-animação “Assédio no metrô”, que aborda a realidade vivenciada cotidianamente pelas mulheres.  Com a missão de promover a cidadania e a autonomia das mulheres que exercem a prostituição,  a proposta é trazer à tona violações de direitos comuns a todas as mulheres, mas que se agravam quando estas são desqualificadas como pessoas por conta de suas atividades, sendo ainda mais expostas à violência.

Quando se trata de uma garota de programa, o assédio, o sentido de poder e o abuso podem piorar, sendo caracterizados como algo normal. Depoimentos de mulheres atendidas pelo projeto demonstram que a violência passa a ser considerada pela sociedade como algo natural e resultado de seu papel social. Ou seja, a culpa é sempre da mulher que se colocou naquela situação e seus direitos humanos são deixados de lado.

Denúncias desconsideradas, direitos violados, ameaças e assédio fora do local de prostituição foram relatados. A produção do roteiro deste vídeo  tem como inspiração experiências e histórias das próprias mulheres atendidas pelo projeto. Com o objetivo de enfrentar o preconceito, a violência e a desigualdade de gênero, Diálogos pela Liberdade traz questionamentos e convida a refletir. A sensibilização não é algo fácil, assim como a vida dessas mulheres também não é. Faz-se necessário dialogar, denunciar e empoderar as mulheres para que possamos construir um mundo mais justo.

“Toda mulher tem o direito de não sofrer discriminação. Todo ser humano tem direitos, mas sabemos que esses não têm sido respeitados, que tem muita violação de direito no Brasil, e principalmente quando se trata de mulher. Por termos nascido num país machista e preconceituoso, a violação dos direitos humanos tem base em uma cultura hipócrita. Mas se a gente se calar, isso nunca vai mudar. Precisamos ter ousadia  e dizer: sou mulher e mereço respeito, sou uma cidadã e tenho direitos.” 

(Rosa Maria – Mulher atendida pelo

Projeto Diálogos pela Liberdade)

________________________

O projeto

O Projeto Diálogos pela Liberdade é uma iniciativa da Rede Oblata, que trabalha a problemática que afeta diretamente as mulheres que exercem a prostituição. O projeto visa conscientizar sobre o estigma sofrido pelas garotas de programa, trabalhalhando temas como desigualdade de gênero, empoderamento, cidadania, vulnerabilidade social e violações de direitos.

Ofere rodas de conversa, atendimento psicológico, terapias holísticas, cursos de capacitação, orientação e encaminhamento para redes socioassistenciais.

____________________________

VÍDEO
Coordenação: 
Diálogos pela Liberdade
Roteiro e Direção Criativa: 
Conectidea - Comunicação & Articulação social
Ilustração/Animação: 
estúdio Black Ink

Diálogos pela Liberdade divulga a 2ª edição da Revista Garotas do Hotel

Revista Garotas do Hotel 2

Em 2016, foi lançada a 2ª edição da revista em quadrinhos GAROTAS DO HOTEL, material informativo e de sensibilização que tem como tema e público as garotas de programa que atuam nos hotéis da Zona de prostituição da Guaicurus, localizada em Belo Horizonte.

O Projeto Diálogos pela Liberdade é uma iniciativa da Rede Oblata, que trabalha a problemática que afeta diretamente as mulheres que exercem a prostituição. O projeto visa conscientizar sobre o estigma sofrido pelas garotas de programa, trabalhalhando temas como desigualdade de gênero, empoderamento, cidadania, vulnerabilidade social e violações de direitos. A revista é instrumento criativo de aproximação e informação sobre saúde, direitos humanos e temas relacionados às mulheres.

A produção da revista tem como inspiração experiências e histórias das próprias mulheres atendidas pelo projeto, que têm acesso a rodas de conversa, atendimento psicológico, terapias holísticas, cursos de capacitação, orientação e encaminhamento social. Em março de 2017, será lançada a 3ª edição que tocará em outros assuntos trazidos pelo grupo Filhas da Luta, formado por garotas de programa que debatem sobre seus direitos, sonhos, tristezas e perspectivas.

Acesse a revista no link abaixo:

//e.issuu.com/embed.html#19110193/43452988

Coordenação: @dialogospelaliberdade 

Roteiro e Direção Criativa: @conectidea 

Ilustração: @BlackInk.Cursos

Hildas de hoje – Reportagem do Estado de Minas revela prostitutas da Zona Guaicurus

hildas de hoje - especiais

Flavia Ayer e Luciane Evans (textos) e Fred Bottrel (vídeo e fotos)

“Belo Horizonte soube primeiro, o Brasil demorou para descobrir. Nunca houve uma mulher como Hilda. Há 25 anos, o jornalista e escritor Roberto Drummond (1933-2002) mergulhou em universo de desejo e saiu de lá com uma personagem envolta em nuvem de mistério e sensualidade. Em abril de 1991, Drummond concluiu seu mais famoso romance. Pelas palavras do escritor e depois pelas imagens da TV,o país se encantou por Hilda Furacão. Na ficção e na realidade.

A personagem, inspirada em Hilda Maia Valentim, foi desejada por pobres, ricos, santosepecadores. Conhecida na classe média alta belo-horizontina, ela desnorteou a tradicional família mineira ao se tornar a prostituta mais famosa da Rua Guaicurus, nos anos 1960. Chegou na zona boêmia em 1º de abril de 1959 para se hospedar no quarto 304 do Maravilhoso Hotel e por lá ficou até 1º de abril de 1964. Por duas vezes, no dia da mentira. Coincidência ou destino
Embora pareça obra da ficção, a verdade é que Hilda nunca se foi.

Vinte e cinco anos depois do lançamento do livro Hilda Furacão, o Estado de Minas seguiu os passos de Roberto Drummond e retornou à Rua Guaicurus atrás das mulheres que, décadas depois da garota do maiô dourado, continuam a satisfazer os desejos dos homens. Por dois meses, a reportagem frequentou os hotéis da zona boêmia. Lá, como no romance, a imaginação e a realidade se confundem.

Já não há mais glamour, muito longe disso. Mas a Guaicurus resiste ao tempo e mostra que a narrativa ficcional se mantém viva na atualidade. Atravessa, por gerações, a vida de mulheres de carne e osso. Hilda está na personalidade forte de Susi, que largou a vida com os pais na Pampulha para morar no Novo Hotel, o antigo Maravilhoso. A voz de Hilda ressoa na fala de Thamires, que não determina a linha que divide o real do fantasioso.”

Acesse o material AQUI – Estado de Minas

Expediente

  • Reportagem: Flávia Ayer, Fred Bottrel e Luciane Evans
  • Vídeos e fotos: Fred Bottrel
  • Estagiários de multimídia: Breno Ribeiro e Thiago Fonseca
  • Edição de textos: Rafael Alves
  • Edição de arte: Júlio Moreira
  • Editora-executiva: Renata Neves
  • Diretor de redação: Carlos Marcelo Carvalho

Luta legal

A prostituição não é ilegal no Brasil. Porém, há mais de 10 anos essas mulheres estão na luta para tentar regulamentar a profissão. Atualmente, está na Câmara dos Deputados o Projeto de Lei 4.211/2012, denominado “Lei Gabriela Leite” e proposto pelo deputado Jean Willys (Psol/RJ), que pretende não só desmarginalizar a profissão, como também permitir aos profissionais do sexo o acesso à rede de saúde pública, aos benefícios trabalhistas, à segurança pública e à dignidade humana. Com isso, acredita-se que a regularização seria um instrumento no combate à exploração sexual, ao possibilitar a fiscalização e o controle do Estado sobre o serviço.

ASPROMIG divulga projeto de Museu do Sexo e seleciona residentes para criação de obras

Reprodução imagem fan page aprosmigA APROSMIG está selecionando residentes para o Museu 𝐃𝐀𝐒 𝐏𝐔𝐓𝐀𝐒! , que tem como objetivo a produção de obras com a temática do sexo, a partir das experiências e vivências das prostitutas.

Segundo a associação, os residentes serão os responsáveis pela produção das obras e ficarão um mês imersos nos hotéis da Rua Guaicurus – BH/MG, um dos maiores complexos de prostituição do Brasil.

As inscrições vão até o dia 17 de agosto de 2016.

Podem se inscrever para a residência prostitutas, artistas, pesquisadores, entre outros profissionais. O Museu do Sexo das Putas possui caráter interdisciplinar e, por isso, a variedade de formações será contemplada na escolha dos residentes. Será selecionado pelo menos um residente de cada região do país. É necessário ter disponibilidade para ficar o mês de setembro imerso nos quartos de hotéis. Cada residente receberá a remuneração de R$ 3mil.

Acesse  o edital  AQUI.

Fonte: ASPROMIG 

Diálogos pela Liberdade convida para o lançamento do documentário “O que a vida fez da gente e o que a gente fez da vida”

Convite - Lançamento documentario

A Pastoral de BH vai fazer o lançamento oficial do documentário “O que a vida fez da gente e o que a gente fez da vida“. Este filme foi produzido em 2014, dentro do Projeto “Diálogos pela liberdade”, coordenado pela Pastoral da Mulher de BH, unidade oblata em Minas Gerais. Aborda a trajetória de mulheres guerreiras que exerceram ou exercem a prostituição.  O evento acontecerá o próximo dia 14 de junho, às 20:30h, no Espaço Centoequatro, no Centro da capital belo-horizontina.

“O que a vida fez da gente e o que a gente fez da vida”  é um vídeo-documentário sobre a problemática da prostituição e  sua influência na vida de mulheres atendidas pela instituição, bem como sua relação com a exploração sexual. Também é tratado o fenômeno do tráfico de seres humanos. O objetivo é entender a vulnerabilidade social, cultural e econômica como fator influenciador no desenvolvimento das formas de exploração, abordando também as possibilidades de enfrentamento e sensibilização. Por meio das histórias de vida das entrevistadas, que estão (ou já estiveram) no exercício da prostituição, busca-se revelar o outro lado além de estereótipos, preconceitos e julgamentos, as saídas encontradas e o reflexo da prostituição em suas vidas.

O filme foi legendado em espanhol e inglês, com a finalidade de que possa ser de utilidade para o conjunto de Projetos Oblatas espalhados por mais de 16 países.

34be9-img_mundo

Após a exibição, haverá uma mesa redonda com o tema  “Violação de direitos humanos e estigma na prostituição feminina”, com a participação de Regina Medeiros, Nélio Souto, Isabel C. Brandão e Fernanda Soares.

Convidad@s:

Isabel C. Brandão –   Psicóloga, com Pós-Graduação em Análise Institucional, Esquizoanálise e Esquizodrama. Trabalha desde 2008 na Pastoral da Mulher.

Nelio Souto – Jornalista e Cineasta, diretor do documentário.

Regina Medeiros – Doutora em Antropologia Social e cultural pela Universitat Rovira i Virgili em Espanha.  Sua tese: “Hablan las putas: sobre prácticas sexuales preservativos y Sida en el mundo de la prostitución”.Professora do Departamento de Ciências Sociais da PUC Minas.

Fernanda Soares – Relações Públicas especialista em Mídias Sociais, diretora-fundadora da Conectidea – Comunicação e Articulação Social, co-roteirista do documentário e ativista pelos direitos humanos.

____________________________________

Pastoral da Mulher
Av.Santos Dumont nº 664 sala 327 
Centro Belo Horizonte/MG 
Contato: comunicaapmm@gmail.com - apmmbh@yahoo.com.br Tel: 3272-7349
Espaço CentoeQuatro
Praça Ruy Barbosa, 104 | Centro
Belo Horizonte | MG | 30.160-000
Telefone: (31) 3222-6457