Cobertura do Congresso Diálogos pela Liberdade

Elaborado para levar informação à população, fomentando a área de conhecimento sobre direitos da mulher, sensibilização contra a violência e tráfico de pessoas com fins de exploração sexual, além de realizar ações de prevenção, debates e encontros para formar agentes multiplicadores, foi aberto o “Congresso Internacional Diálogos pela Liberdade – Prevenção ao Tráfico de Pessoas”, realizado pela Pastoral da Mulher de Belo Horizonte.

Contando com a presença de estudantes e profissionais das mais diversas áreas ligadas ao social, o evento contou também com a presença de algumas autoridades e foi aberta com as palavras do Coordenador da Pastoral da Mulher de Belo Horizonte – José Manuel. Logo após iniciou-se a sequência de palestras programadas para esta segunda-feira.

Este slideshow necessita de JavaScript.

O Congresso, programado para os dias 1 e 2 de setembro, acontece no Auditório da OAB/MG, na Rua Albita, 260, no bairro Cruzeiro, em Belo Horizonte, teve nesta manhã, a palestra “Globalização, Gênero e Tráfico de Pessoas”, com a jornalista e escritora, Priscila Siqueira e a palestra de Verônica Teresi, Profª Mestre da UNISANTOS, especialista na temática de Tráfico Humano, com o tema “As redes de tráfico Brasil-Espanha: perfil das vítimas”.

A tarde, a programação conta com a Mesa Redonda “Experiências de prevenção e Atendimento às vítimas do tráfico com fins de exploração sexual no Mercosul”,  com Olga Colipe, Coordenadora da Rede Oblata; Paula Laneri, do Projeto  “Puerta Abierta“, de Buenos Aires; e Sandra Ortiz, do Projeto “Casa Abierta” de Montevidéu (Montevideo-Uruguay) e a palestra “Experiências de Atendimento a brasileiras vítimas do tráfico com fins de exploração sexual na Espanha”, por Roberto Ferreiro, pedagogo no Projeto O Mencer- El Ferrol (Espanha).

Fonte e Fotos: AssCom – Instituto das Irmãs Oblatas do Santíssimo Redentor.

Anúncios

Cine-Diálogos em Belo Horizonte contará com a presença do cineasta Joel Zito

Joel Zito - Cinderalas

O cineasta Joel Zito Araújo, diretor e roteirista do filme Cinderelas, Lobos e um Príncipe Encantado (2010) é presença confirmada no Cine-Diálogos que acontecerá em Belo Horizonte, na Escola de Direito Dom Helder Câmara. Esse premiado pesquisador mineiro, ou baianeiro (como prefere se denominar, por ter nascido em Nanuque, na fronteira entre os estados de Minas Gerais e Bahia), é autor de uma filmografia que retrata a questão das africanidades no Brasil, tendo sido consagrado com um dos prêmios de maior importância do cinema brasileiro com a obra cinematográfica “A Negação do Brasil” (2001); seu filme “É Tudo Verdade/It’s all true” recebeu prêmio de melhor filme no Festival Internacional de Documentários e de melhor roteiro no Festival de Recife em 2001; “As Filhas do Vento” (2005) recebeu 8 kikitos no Festival de Gramado e melhor filme pelo júri popular da Mostra de Cinema de Tiradentes de 2005; e o documentário Cinderelas, lobos e um príncipe encantado (2009) recebeu, por meio de júri popular, os prêmios de melhor filme e melhor diretor na 9ª edição do Festival Iberoamericano de Cinema de Sergipe.

No dia 04 de Setembro de 2014, Joel Zito comporá a mesa de debate junto com Beth Campos, do Comitê Nacional de Enfrentamento da Violência Sexual contra Crianças e Adolescentes em Minas; Betinho Duarte, do Comitê Coração Azul de Minas Gerais; Fernanda Lins e Ana Paula Silva, representantes da Pastoral da Mulher de Juazeiro-BA; e Laura Maria, Presidente da Associação das Prostitutas de Minas Gerais-APROSMIG.

O evento Cine-Diálogos visa fomentar a área de conhecimento sobre direitos humanos e violência de gênero inserido no contexto do Tráfico de Pessoas, sensibilizar a população contra a violência e tráfico de mulheres para fins de exploração sexual, adentrando na temática do turismo sexual e prostituição no Brasil. O evento vai abrir espaço para debates que vão dar o que falar, apresentará temas polêmicos e a necessidade de troca de informações a respeito de crimes ainda chamados de “invisíveis”, mas que que assolam a humanidade e exploram a vulnerabilidade socioeconômica de pessoas que acreditam no sonho de uma vida melhor.

Clique aqui e confira a programação completa do Cine-Diálogos e faça sua inscrição.

PASTORAL DA MULHER DE BH PRODUZ DOCUMENTÁRIO SOBRE PROSTITUIÇÃO, TRÁFICO DE MULHERES E EXPLORAÇÃO SEXUAL

A Pastoral da Mulher de Belo Horizonte está produzindo um vídeo-documentário sobre a problemática da prostituição e  sua influência na vida de mulheres atendidas pela instituição, bem como sua relação com a exploração sexual. O objetivo é trazer à tona o tema tráfico de mulheres e abordar a vulnerabilidade social, cultural e econômica como fator influenciador no desenvolvimento das formas de exploração, abordando também as possibilidades de enfrentamento e sensibilização. Por meio das histórias de vida das entrevistadas, que estão (ou já estiveram) no exercício da prostituição, busca-se revelar o outro lado além de estereótipos, preconceitos e julgamentos, as saídas encontradas e o reflexo da prostituição em suas vidas.
Vedete

A Foka Vídeos é a responsável pelas gravações que seguem um roteiro pautado na presença humana e na leitura sensível das entrelinhas das histórias dessas personagens da vida real. O documentário apresenta mulheres que têm em comum suas histórias de superação e conquistas ao assumirem o protagonismo da própria vida. Célia, Lucimara, Adriana, Miriam, Vanusa, Sueli, Márcia e Kátia são, antes e sobretudo, mulheres, mães, cidadãs e sonhadoras que encontraram na prostituição uma “solução rápida para apenas alguns dos seus problemas, já que outros se agravaram a partir daí”.

“Personagens reais falam de filhos, amores, trabalho, dinheiro, tráfico de mulheres, enfim, falam delas. Histórias comoventes de verdadeiras lições de vida dadas pela própria vida, como a história de Kátia, soropositivo que encontrou “a verdadeira felicidade depois que teve uma filha que nasceu sem o vírus”. Segundo Kátia, a vida resolveu dar uma última oportunidade que ela agarrou com unhas e dentes. Em outras perspectivas, uma vedete que fez sucesso no teatro Revista carioca na década de 70; uma mulher sem identidade ou qualquer referência do seu passado; um crime esclarecido; abusos e aliciamento são apenas alguns dos casos que essas mulheres têm para contar”, comenta o diretor do documentário, Nelio Souto.

foto 5o trabalho
A estreia do filme intitulado “O QUE A VIDA FEZ DA GENTE E O QUE A GENTE FEZ DA VIDA” está prevista para Setembro e se agrega à programação do “Congresso Internacional Tráfico de Mulheres e Exploração Sexual“, que acontecerá no auditório da OAB/MG, e do Cine-Diálogos Direitos Humanos e Violência de Gênero, que ocorrerá na Escola Superior de Direito Dom Helder Câmara.

Perfil das entrevistadas

Mulheres em situação de prostituição (em atividade ou não)  do hipercentro de Belo Horizonte.

Foco: sensibilizar quanto à vulnerabilidade social, cultural, e econômica, psicológica e até mesmo familiar/afetiva e suas influências nas formas de exploração sexual.

Temas envolvidos:

– Mulher da Vida  X  Mulher e Vida;

– Vida fácil  X  Vida difícil;

– Violência  X  Direitos da Mulher;

– Vulnerabilidade social, cultural, econômica e psicológica;

– Enfrentamento  X  Transformação;

– Cidadania  X  Direitos Humanos;

– Mulher prostituta  X  Mulher traficada (busca de histórias para identificar a  presença desse crime invisível);

– A oportunidade, na verdade é uma saída que vira exploração.

Mais informações: comunicaapmm@gmail.com | (31) 3272-7349

Em setembro, Cine-Diálogos abrirá debate sobre o filme “Cinderelas, lobos e um príncipe encantado”

Programação do dia 04 de Setembro/2014

14:00 h –  Exibição do filme “Cinderelas, lobos e um príncipe encantado”

15:45 h – Debate com:

– Beth Campos(Comitê Nacional de Enfrentamento da Violência Sexual contra Crianças e Adolescentes em Minas);

– Betinho Duarte – Comitê Coração Azul de Minas Gerais;

– Ir.Manuela Rodriguez (Oblata), representando a Rede um Grito Pela Vida ;

– Laura Maria (Presidente da Associação das Prostitutas de Minas Gerais-Aprosmig).

*Será servido Coffee Break.

Título Original: Cinderelas, Lobos e um Príncipe Encantado

País de Origem: Brasil
Gênero: Documentário
Tempo de Duração: 108 min
Ano de Lançamento: 2010
Direção e roteiro: Joel Zito Araújo

Sinopse: Documentário que parte do fato que cerca de 900 mil pessoas por ano são traficadas pelas fronteiras internacionais para fins de exploração sexual. Entretanto, apesar de todos os perigos, jovens mulheres brasileiras acreditam que vão mudar de vida e sonham com o seu príncipe encantado. (Cinema em Cena)

Visitação à EXPOSIÇÃO MENINAS DO BRASIL – 2ª a 6ª feira, das 8 h às 22 ; aos sábados das 8 h às 12 h.

Aproveite para visitar a BANCA DE ARTESANATO DO PROJETO COMEÇAR DE NOVO

O Papa convida ex-escravas sexuais sul-coreanas para uma missa em Seul

Um grupo de mulheres sul-coreanas, que foram submetidas à escravidão sexual pelo Exército japonês durante a II Guerra Mundial, foi convidado para participar de uma missa que o Papa Francisco presidirá em Seul em meados de agosto.

Segundo indicou à Efe uma das suas porta-vozes, a máxima autoridade da Igreja católica na Coreia do Sul convidou, para participar do serviço religioso, estas sobreviventes de um cruel episódio, que continua provocando fortes tensões diplomáticas entre Seul e Tóquio.

Prevê-se que o Papa Francisco dedique uma mensagem àquelas que são conhecidas como “mulheres de conforto” durante a missa que presidirá na Catedral de Myeongdong, da capital sul-coreana, no dia 18 de agosto, último dia da visita do Pontífice à Coreia do Sul, confirmaram autoridades locais da Igreja católica. Continuar lendo

TRÁFICO DE MULHERES E PROSTITUIÇÃO: O QUE HÁ EM COMUM?

Por Lucinete dos Santos
De acordo com a OIT (Organização Internacional do Trabalho) o tráfico para exploração sexual corresponde a 92%, sendo que 83% são de mulheres. Pensar no fenômeno do Tráfico Humano em suas diversas modalidades é conceber o sistema no qual estamos inclusos com a globalização que exclui e marginaliza milhares de cidadãos/as em seus direitos básicos e/ou fundamentais. Junto com essa estrutura sócio-histórico-econômico e cultural somam-se as desigualdades de gênero que expõe a figura da mulher ao espaço da subalternidade, da servidão e do exótico.

dados oit

Segundo o ministério da justiça, o perfil das vítimas brasileiras para o tráfico de pessoas corresponde a mulheres, entre 18 e 25 anos; crianças e adolescentes; população afrodescendentes; baixa escolaridade; moradoras de áreas carentes; baixa perspectiva de vida.

Apesar de observarmos atualmente um crescente número de homens e travestis no exercício da prostituição no Brasil, temos dados que caracteriza ainda assim a preponderância de mulheres na atividade, o que nos remete as várias facetas da questão social nos seus múltiplos processos de desigualdade sócio-econômico e de gênero. Podemos dizer em outras palavras que a prostituição no Brasil, em sua grande maioria, tem classe, cor e é do sexo feminino.

A condição da Mulher no Brasil também nos faz compreender o processo da “feminização da pobreza” [i], conceito esse primeiro desenvolvido por Diane Pearce em 1978, que vinculava tal fenômeno ao papel da mulher no mundo do trabalho e a resposta da assistência social nesse quesito. Para a autora, esse conceito se aplicava ao aumento do número de famílias chefiadas por mulheres e que na maioria das vezes precisavam migrar de seu local de origem em busca de melhores condições de vida, o que também conceitua-se “feminização dos deslocamentos” e/ou “feminização da migração”.[ii]  Continuar lendo