“NA VIDA”

 Você sabia que a prostituição não é crime e está no CBO?

Ainda assim, a sociedade associa a prostituição à marginalidade e vadiagem. A atividade se sobrepõe à pessoa e esta é vista por preconceitos que a desqualificam: “mulher de vida fácil”, “vadia”, expondo a mulher à exclusão, violência e humilhação.

Elas falam:

“Você fez um programa comigo e não pagou! Ele ficou quieto, fechou a mão e deu um soco na minha cara; e me xingou de puta barata”.

“Eu falo para os meus cliente: na cabeça deles a gente é uma máquina de sexo. A gente não tem sentimento. Enquanto isso não mudar não vai acontecer nada. Vai continuar meninas apanhando, vai continuar cliente dando calote.”

“O medo é tanto! Medo da família e suas repressões. Tanto a igreja quanto quem contrata os serviços da prostituta acaba na rua discriminando a gente. A pessoa tem aquele medo de se revelar, escondem a identidade profissional devido ao preconceito da sociedade. Somos mulheres, mas não podemos aparecer como prostituta. aí nos colocamos  à margem, o que gera mais violência.”

“Quando se fala em exploração, em Belo Horizonte são as diárias. Eu não tenho conforto nenhum para pagar R$150,00. Minha  despesa não é só diária, tem material de limpeza, alimentação. O meu quarto mesmo, para eu abrir a porta, tenho que ter ,todos os dias, R$200,00.”

Muitas vezes as prostitutas são rotuladas de transmissoras de HIV. Será que isso é verdade? 

A gente não tem noção de quantos homens vêm nos hotéis que são soropositivos. Hoje mesmo eu fiz um programa com um cliente antigo e ele propôs, porque ele é cliente de sete anos, que a gente abrisse mão do preservativo. Eu olhei para ele e falei: você está louco, você bebeu? Que aconteceu com você, meu filho?”

“Então meu bem, se eu estou aqui, sem dinheiro, você me oferece um tantinho a mais pra eu ficar, se eu aceitar com você, eu aceito com qualquer outro. Para e pensa se sua vida vale a pena uma relação?”

“Aidética… Eu contraí o vírus da AIDS por causa de um estupro, ao contrário do que as pessoas pensam por eu ser prostituta. Eu estava indo para casa com uma colega, estava tarde e um homem se vingou por ter contraído a AIDS e eu fui uma das suas vítimas…” 

Mãe, Filha, irmã… Preconceito…

“De tanto ouvir que ela tem um trabalho que não é normal, ela começa a se sentir anormal. Por que a mulher esconde o que faz? Por causa do medo do preconceito; o medo de não ser aceita, o medo de perder o amor dos filhos; tudo isso começa a deixar ela frustrada.”

“Quando o policial ameaçou chamar o conselho tutelar para tirar minha filha eu armei a maior confusão. Mas tudo isso porque sou prostituta; senti o peso bem na fala do policial.”

 

O QUE A VIDA FEZ DA GENTE E O QUE A GENTE FEZ DA VIDA

Documentário – Em breve!

Documentário Garotas de programa - Diálogos pela Liberdade

 

Perfil das entrevistadas

Mulheres em situação de prostituição (em atividade ou não)  do hipercentro de Belo Horizonte.

Foco: sensibilizar quanto à vulnerabilidade social, cultural, e econômica, psicológica e até mesmo familiar/afetiva e suas influências nas formas de exploração sexual.

Temas envolvidos:

– Mulher da Vida  X  Mulher e Vida;

– Vida fácil  X  Vida difícil;

– Violência  X  Direitos da Mulher;

– Vulnerabilidade social, cultural, econômica e psicológica;

– Enfrentamento  X  Transformação;

– Cidadania  X  Direitos Humanos;

– Mulher prostituta  X  Mulher traficada (busca de histórias para identificar a  presença desse crime invisível);

– A oportunidade, na verdade é uma saída que vira exploração.

Mais informações: comunicaapmm@gmail.com | (31) 3272-7349

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s